Quando se fala em comer sem culpa, certamente a primeira coisa que se pensa é em comidas que irão nos manter saudáveis e em forma. Mas o “comer sem culpa” cada vez mais ganha outra faceta igualmente relevante e que extrapola o âmbito individual: comer sem fazer mal para o meio socioambiental que nos cerca. É pensar na comida além do prato. Essa preocupação vai desde a origem dos alimentos (orgânicos, sazonais, sem maus tratos aos animais e respeitando os produtores), passando pela preparação (utilização de todas as partes do alimento), até o seu descarte (reciclagem e destinação final correta). Porém, além dessas nobres causas, o provável maior impulso para a difusão da gastronomia consciente é a qualidade, o paladar e a beleza de suas receitas, afinal querer comer bem não é nenhum pecado. Os 3 restaurantes que indico essa semana, além de possuírem preocupação socioambiental e oferecerem comidas saudáveis, atraem até os paladares mais exigentes por meio da criatividade e harmonia de seus sabores. E, de quebra, a lembrança da experiência gastronômica não fica alocada nos pneuzinhos, mas apenas na mente, de consciência tranquila.

1Le Manjue Organique

O Le Manjue Organique foi um dos disseminadores da comida funcional. Por meio de um mergulho na química e biologia, são desenvolvidos pratos ao mesmo tempo deliciosos e com benefícios à saúde. Como o próprio nome indica, uma das intenções é priorizar alimentos orgânicos, procedentes da horta própria e de pequenos produtores. A casa também é um manifesto à consciência alimentar. Tanto nas paredes de lousa, quanto nas camisetas dos garçons, o recado é passado: “Comer é um ato agrícola, ecológico, além de tudo, político. O que e como comemos determina em grande parte o que fazemos do nosso mundo e o que vai acontecer com ele.”. O local é um aconchego só, com muitas plantas e luzinhas penduradas no teto. Depois de degustar a Sopinha de cenoura e anis de cortesia, petisque as Cestinhas de frango thai, massa chinesa com recheio de frango orgânico moído, levemente picante, com milho, leite de coco, shoyu e mascavo. Para os meus parceiros amantes de moqueca, vale experimentar a versão vegetariana, a Moqueca de shitake com palmito, acompanhada de arroz de castanhas do Brasil com coco e salsa, leite de coco, farofa de cúrcuma e molho de pimenta da casa. Outro ponto garantido é o Sabores do Brasil, pirarucu e palmito pupunha grelhados, arroz de espinafre com castanha de caju, tomate cereja e notas de pequi. Acompanha molho de hortaliça e farofa de cúrcuma com sementes, castanhas e frutas secas. Já deu para perceber que os pratos são muito completos, com vários sabores e texturas que se combinam harmonicamente. Na hora da sobremesa, o Bolo de Mel é servido com doce de leite preparado com amendoim, leite vegetal, mascavo e proteína vegana “chocolife” e servido com um delicioso sorbet de framboesa, que parece a própria fruta de tão vivido o sabor. Não se pode deixar de provar um trunfo da casa, a Ganache Le Manjue. Criada pelo chef Renato Caleffi para a avó diabética que adora um doce, é preparada com chocolate 70%, cacau, polpa de banana verde e leite de coco. Tem presença garantida em diversas sobremesas da casa e o potinho pode ser comprado para levar. Em alguns sábados de manhã, é organizada uma feira de produtos orgânicos em parceria com a empresa Raízs, que procura conectar o pequeno produtor ao consumidor. Não dá para negar: é um restaurante com visão e propósito.

Endereço: Rua Domingos Fernandes, 608 – São Paulo – SP. Tel.: (11) 3034-0631

2Banana Verde

Banana Verde

O que faz uma pessoa que ama uma proteína animal ir a um restaurante vegetariano? Depois que comer no Banana Verde você entenderá a razão! A essência do lugar é pautada no respeito pelos ingredientes e por uma cozinha de produtos naturais. Por exemplo, a carne de soja, tão popular em receitas vegetarianas, é deixada de fora por ser considerada pela chef Priscila Herrera um produto industrializado. O restaurante foge também de outros estereótipos de restaurantes veggies: também abre no jantar, com criações à la carte sofisticadas e empolgantes, arrancando sorrisos ao mostrar como é possível ter uma alimentação ovolactovegetariana sem abrir mão de sabor. O curioso é que cerca de 80% dos frequentadores não são adeptos do vegetarianismo! Já no almoço, vigora o Menu Executivo que, em sua versão mais completa, compreende bufê de saladas/sopa, prato do dia e sobremesa. O bufê possui as mais variadas opções de saladas, legumes, grãos, sopas e pães, cada uma com um tempero especial diferente, priorizando sempre os produtos mais fresquinhos da época. Você vai querer experimentar tudo! O prato do dia é mesmo no singular, um vistoso prato para cada dia da semana. Caso vá à noite, uma novidade do menu à la carte é a criativa Seleção de queijos de castanhas: petit macadâmia com azeite de alecrim e pimenta rosa, ricota de amêndoas com azeite de alho negro e boursin de caju, que acompanham chutney de frutas tropicais e pão sueco. Como prato principal, o Risoto negro faz bonito: arroz negro, abóbora assada no forno à lenha, champignon, queijo brie e pipoca de abóbora. Uma especialidade da chef é o Bobó de shimeji, que vem em uma mini moranga recheada com shimeji, banana da terra, farofa de castanhas, arroz bolinha com brócolis, purê de cará com queijo meia cura e azeite de açafrão da terra. A verdade é que quando a comida é feita nesse alto nível, com tantos temperos e aromas, a carne não faz a mínima falta. O cardápio também conta com diversas opções veganas, até mesmo nas sobremesas, como a Torta de chocolate detox com calda de amora que leva também nozes, castanhas de caju crua, cacau, tâmaras, óleo de coco e melaço de cana. O local acompanha o estilo da cozinha, com árvores frutíferas, tijolos e madeira aparentes e agradável luminosidade natural.

Endereço: Rua Harmonia, 278 – São Paulo – SP . Tel.: (11) 3814-4828

3Insalata

Traduzindo o nome da casa do italiano para o português: salada. Como não poderia ser diferente, as saladas, de diferentes inspirações, são o destaque do cardápio. São saladas com “S” maiúsculo, daquelas que não se contentam em ser coadjuvante em um prato. Para você que já está torcendo o nariz em pensar em comer “só” salada, o cardápio é bem variado. Além de combinar as saladas com apetitosos grelhados, pode-se também deixar as saladas de lado e optar por outros pratos como tortas, massas e risotos. A proposta da casa é oferecer pratos conhecidos do público que passaram por releitura, com ingredientes e preparos mais saudáveis, mas mantendo a gostosura. Há até mesmo bife à parmegiana e hambúrgueres! Fica a dica: é uma ótima opção quando você está querendo dar uma maneirada e quer sair com aqueles amigos que estão do outro lado da força. Talvez essa maleabilidade seja um dos segredos dessa casa que começou sua história em 1994 apenas como um delivery e mantém até hoje salões cheios e público fiel. O delivery ainda é parte marcante do negócio, conhecido por ser uma mão na roda, chegando tudo fresquinho, quentinho e no tempo combinado. Para compartilhar, a Burrata vem com cogumelos salteados, tomate temperado e ciabatta. A salada Caprina é a queridinha entre as opções verdinhas, com queijo de cabra levemente aquecido coberto com mel, mix de folhas, repolho roxo, pêra, tomatinho e molho de aceto balsâmico e mel acompanhada de torradas. A Istambul também tem um queijinho que tanto combina com saladas, dessa vez tipo chancliche com zaatar, mais mix de folhas, fruta da estação, queijo, amêndoas, manjericão, molho à base de azeite e torradas. As saladas inteiras são muito bem servidas, mas caso queira um grelhado, há ótimas opções como o Saint peter e o Hambúrguer de fraldinha. Na hora da sobremesa, escolha se está com vontade de extravasar um pouco depois da refeição light pedindo o Pudim de coco com caramelo de gengibre, ou se vai manter o foco com o Sorvete de iogurte com calda light de frutas vermelhas. O Insalata procura ficar bem na fita também quanto à preservação do meio ambiente. Dentre as iniciativas, o lixo não orgânico, na média diária de 12 sacos de 100 litros, é enviado em carro próprio para a reciclagem. Além disso, o óleo utilizado é transformado em sabão por meio de uma parceira com uma ONG.

Endereço: Alameda Campinas, 1474 – São Paulo – SP. Tel.: (11) 2308-9153

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA