No auge da carreira, Thiago Castanho vai mudar

1
4233

Depois de atrair os olhos do país todo, o melhor chef da Amazônia quer investir na carreira de restaurateur

Por Thiago Minami
De Belém

Aos 27 anos de idade, Thiago Castanho conseguiu praticamente tudo o que um jovem chef de cozinha pode desejar. Em menos de cinco anos, tornou-se ícone da gastronomia nacional, é reconhecido internacionalmente – sua casa, o Remanso do Bosque, faz parte do ranking latino-americano da Restaurant – e é o único nome de peso na vastidão amazônica.

Ainda assim, ele quer mudar. Aos poucos, move-se para a carreira de restaurateur. Diz ter boas razões para isso. “Voce ganha prêmios, torna-se conhecido em todos os lugares, os outros chefs vêm visitar. Mas o que sustenta um restaurante é o cliente ali sentado, comendo”, diz ele, apontando com a cabeça para uma mesa cheia no Remanso.

+ Veja restaurantes brasileiros estrelados no Guia Michelin

remanso
Thiago na cozinha do Remanso do Bosque

Thiago quer mais clientes no restaurante – sobretudo os conterrâneos jovens. Primeiro, cortou o menu-degustação. “As pessoas acham que é pouca comida por um preço alto”, explica sem rodeios. Agora o Remanso trabalha com um cardápio fixo, em que apenas uma parte varia de acordo com a sazonalidade.

“Ouça a música. Ela também está um pouco mais animada, o que não é o mais adequado para quem quer apreciar a comida e pronto. Nós somos jovens, temos jovens na cozinha, agora queremos jovens no salão também”, diz e aponta para si próprio e o irmão mais novo Felipe, sentado ao seu lado.

felipe
Felipe Castanho

Felipe deixou as sobremesas. Agora cuida dos vinhos e da administração. Não à toa, os dois admiram, neste momento, os americanos Mario Battali e Joe Bastianich, imperadores do cenário gastronômico mundial venerados pela habilidade de unir lucro à comida boa. 

www.tbfoto.com.br REMANSO DO BOSQUE - BELÉM/PARÁ - 17/10/2011 Foto: Tadeu Brunelli ATENÇÃO: Toda foto deve ser publicada com o crédito do autor, de acordo com a Lei Nº 9.610 de 19/02/1998.
Camarão empanado na farinha de tapioca

Boa, não. No caso de Thiago, excelente. O talento dele alegra os tristes trópicos. Os variados tipos de farinhas locais são usados, por exemplo, para conseguir texturas sedutoras – aquilo que os japoneses chamam com mais precisão de shokukan, ou a sensaçao que se tem ao morder algo.

Remanso do Bosque _ bolinho de tapioca na folha de bananeira.
Bolinho de tapioca

A leveza dos 20 anos expressa-se em brincadeiras perspicazes, como o bolo de macaxeira feito salgado e servido em cubinhos com geleia de pimenta – nada pesado, sabe-se lá como – e o tacacachaça, drinque já mencionado no The New York Times, que mimetiza a sopa típica da Amazônia usando maracujá e jambu.

Remanso do Bosque _ Tacacachaça
Tacacachaça

O filhote assado na folha de bananeira com farinha de Bragança vale, por si só, a ida ao restaurante.      

Thiago Castanho olha para o futuro

Sem se apegar à imagem do artista romântico, pouco afeito a questões práticas, Thiago promete que vai pensar nos negócios sem descuidar da qualidade.

“Fiz estágio com o Vítor Sobral há 8 anos. Os restaurantes dele, estejam onde for, mantêm o mesmo nível de qualidade. Sinto que este tipo de casa, menos autoral e com pegada mais forte do restaurateur, vai voltar à cena. Da mídia, quero dizer, porque os clientes nunca o abandonaram.”

Agora, os irmãos Castanho trabalham numa cerveja com a própria marca – e conversam com a Amazon Beer, fabricante local que utiliza ingredientes típicos, como açaí e cupuaçu, na produção da bebida. Para o futuro, imaginam levar o Remanso também para outros locais – Manaus é uma aposta.

E por que tanto apego à região amazônica, se facilmente o público do Sudeste, e até de outros países, fariam filas para saborear as criações de Thiago? “Ser bem-sucedido não é só ter prêmios, aparecer na mídia. Tem que valorizar quem trabalha com você, estar perto da família, dos amigos. Isso é fundamental”, diz o promissor restaurateur, deixando entrever que, afinal de contas, ainda não é tão empresário assim.

Remanso do Bosque
Travessa Perebebuí, 2350 – em frente ao Jardim Botânico – Belém-PA. Tel.: (91) 3347-2829

1 COMENTÁRIO

  1. Sou de Belém e sinto imenso orgulho do trabalho que o Thiago vem fazendo, realmente é merecedor desse sucesso! O Remanso do Bosque é um restaurante digno de prêmios sim, inovador, porém, autêntico às suas origens! Galgar sonhos e levar a culinária paraense ao mundo faz parte deste jovem, só espero que o mesmo não abandone suas raízes e principalmente, seu público fiel ao Remanso!

DEIXE UMA RESPOSTA