Passei o Carnaval em Cuba

0
1409

Por Braulio Pasmanik*

Minha filha deu a ideia e gostei do argumento de que seria interessante conhecer o país que tão bravamente sobreviveu ao embargo americano, antes que a suspensão do mesmo traga uma invasão da cultura do dólar e do capitalismo que eles tanto abominam.

A primeira pergunta que ela fez ao motorista do táxi que pegamos no aeroporto foi:

“O que você mais gosta e menos gosta aqui em Cuba?”

A resposta veio depois de 15 segundos de reflexão.

– O que menos gosto é da extrema penúria que vivemos em função dos problemas econômicos.
– O que mais gosto é que temos ensino e saúde de qualidade e gratuitos , não temos vandalismo e, sobretudo, temos dignidade!

Boa resposta e, sinceramente, fiquei com inveja, principalmente da parte da dignidade!

Mas como nosso assunto não é política e sim gastronomia, vamos ao que interessa!

Caos total !

Nunca comi tão mal em uma viagem.

O diagnóstico é simples e já escrevi muito sobre isso. Se você alimentar um bebê com suco de minhoca e repetir que milk-shake de chocolate é abominável, ele crescerá com essa opinião. A escassez de produtos, a falta de informação e principalmente o desapego pelo gosto sofisticado, fizeram um tsunami na culinária cubana. Mesmo o turismo sendo a principal fonte de receita por lá, só agora, com a abertura dos “paladares”, que são pequenos restaurantes tocados pela iniciativa privada, dá para começar a sentir um interesse em melhorar um pouco o padrão do que vai sobre o prato.

De qualquer maneira, se me pedissem para indicar bons lugares para comer em Cuba, eu teria grande dificuldade. A maioria é tão ruim que é possível indicar onde não se come mal.

Para ser honesto, dentre muitas tentativas, dois “paladares” me chamaram atenção, mais pelo esforço em buscar uma saída para a equação (falta de produto, falta de cultura local e vontade de acertar) do que pelo resultado, que ainda deixa a desejar.

São eles:

Esto no es un Café
San Ignacio # 58A Callejón del Chorro ao lado da Plaza de la Catedral
Tel.+357 8625109
O nome é inspirado na obra de René Magritte “Ceci n’est pas une pipe” e tem no arranjo dos pratos uma preocupação estética.

Vistamar
1a Avenida 2206 entre 22 y 24 Miramar
Tel. +357 2038328
A vista para o mar é bacana e a gerente é um amor e tem um nome muito especial. Procure a Virgen Maria!

Como qualquer pessoa que tenha um iPhone e goste de comer, tiro compulsivamente fotos de comida. Enquanto procurava fotos para ilustrar o que escrevi sobre Cuba, vi o contraste que se formou no meu iPhoto, entre as fotos de lá e as outras que fui tirando nas viagens que fiz nos três últimos meses.

Não dá para provar uma foto, mas tenho certeza que vocês entenderão o “gosto” das fotos!

[Best_Wordpress_Gallery id=”15″ gal_title=”cuba”]

 

*Braulio Pasmanik gosta de cozinhar, comer, beber e viajar. Nas horas vagas, escreve sobre os quatro assuntos de que gosta.